Saga de um solitário trovador - Parte VII

Bom dia! Hoje é segunda e isso significa que é meu dia de postar aqui no blog. O poema de hoje tem uma citação que não sei se vocês vão entender. "Filho do amoníaco" refere-se a um poema que vocês podem encontrar aqui, recomendo lê-lo antes.

S
aga de um solitário trovador - Parte VII


A amizade anteriormente reatada
Parece agora, mais uma vez acabada
Assim como sua breve felicidade
Criada em breve momento de sinceridade

Depois de tanto tempo ignorado
Tempo no qual se sentiu humilhado
Naquele momento de sinceridade
Pode reatar uma antiga amizade

Mergulhou-se em plena alegria
Sua longa noite mudou-se em dia
E foi então que esqueceu
Tudo o que anteriormente viveu

Refletiu e viu que foi ignorado
Por simples ato tido como errado
E depois de certa felicidade
Voltou à vil e anterior crueldade

Se ela havia voltado a considerar
Agora estava novamente a ignorar
Refletiu e finalmente percebeu
Dessa vez o erro não foi seu!

Sozinho, novamente, com pena e papel
Tão amargo e longe do céu
Sendo dessa vez como filho do amoníaco
Sofrendo a má influência do zodíaco

E voltou ao estado anterior
Estado de incrível dor
Perdido e totalmente sem camino
Depressivo e sentado sozinho!

E aí, o que acharam? Comentem!

1 comentários:

Mateus Spessotto disse... / 2 de agosto de 2010 18:11  

Fico legal a intertextualidade que você fez, bem bolado ^^