Beijo

Olá!
O poema de hoje é um poema que eu praticamente fiz em sonho. Eu sonhei com os 4 primeiros versos do jeito que eles se apresentam. Então, acordei e os escrevi num papel para terminar de escrevê-lo no dia seguinte... Eu, particularmente, gostei do resultado. Já o chamaram de erótico, pornô, mas outras pessoas disseram que não e que ficou bem santinho e bonitinho. Espero que gostem.

Beijo

Não importa se de esquimó, um selo ou francês
O que importa é que teus lábios toquem minha tez
Mesmo que seja ele um de borboleta
Desejo apenas que me toque a bochecha
E mesmo que ele aconteça de repente
Espero que não seja de todo diferente
Mesmo que tenha sido um roubado
Ou, tomara!, dado de bom grado
Não importa se na bochecha, pescoço ou nariz
O que importa é que não erre nem por um triz
Beije-me com amor e com paixão
Faça sofrer de alegria esse coração
Nariz com nariz se roçando
O de esquimó vai por si acabando
Para dar início ao clássico francês
A alegria que me arrepia de vez
E na hora de finalizar
Para um toque ao mais ao todo dar
Os olhos vão se abrindo
Ouço sinos retinindo
Os lábios se fechando
Os olhares se trocando
A boca em carta transformada
É com teu pequeno selo finalizada!

Bom... Quem não souber o que significa "beijo francês" apenas coloque no google. Não precisa abrir página nenhuma para descobrir o que é.
O que acharam? Comentem! õ/

1 comentários:

Mateus Spessotto disse... / 1 de julho de 2010 20:12  

Nossa cara, paguei um tronco, se pá até dois... HSAUHASUASH Mto massa cara!