Dura vida de trovador

Bom, gente, como eu disse sobre a saga, nem sempre vou postar poemas de lá. Hoje, o poema é um comum e eu espero que vocês gostem.

Dura vida de trovador

Que dura é a vida de trovador
Tão dura e mui cheia de dor
Porém, tem sua parte interessante
Parte assaz recompensante

Cheia de amores incompreendidos
Cheia de atos arrependidos
Com vários momentos temerosos
E uns poucos, é verdade, bem gloriosos

Horas as quais passam velozes
Dias os quais passam atrozes
Há também segundos devagares
São os que vêm em doses cavalares

O que fazer, sentir ou falar?
O que dizer com o coração a palpitar?
Que dura é a vida cheia de dor
Semelhante à de um trovador

Sempre amigo de palavras e rimas
Sempre acalentado pelas primas
Às vezes, porém, por elas abandonado
Permanece só, sofrendo calado

Tem horas que da morte tem desejo
Mas horas em que um agrado benfazejo
Muda a morbidez em felicidade
Difícil se torna crer em outra verdade

Sempre tem sua parte recompensante
Parte assaz interessante
Momento de extrema paixão
Ah! A glória de um terno coração

Quando se entrega todo de uma vez
Mesmo que fique sem sua altivez
Permanece ali gozando calado
Permanece ali sofrendo aquietado

É essa a vida de trovador
Vida cheia de dor
Mas tem seu lado deveras aprazível
Um lado muito incrível!

E aí, o que acharam?

3 comentários:

Mateus Spessotto disse... / 8 de março de 2010 16:43  

Fico bem legal cara, mostra os dois lados da coisa, continua assim :D

Rebecca disse... / 8 de março de 2010 16:50  

digo o mesmo.. continue assim. Sabe que adoro seus poemas :D

Déborah disse... / 8 de março de 2010 17:20  

Muito bom mesmo Jão! beeijos ;*