Estranho

Olá, caros leitores.
O poema de hoje é o primeiro de uma série de uns quatro que eu escrevi no mesmo dia.
Foi em novembro mais ou menos.
A temática é a mesma e ele é um pouco menos mórbido que o anterior.
Espero que gostem.

Estranho

Por acaso, existe maior dor
Colocando em mórbido torpor
Dor por uma mulher causada
Tornando a vida amargurada
Mulher que no coração causa amizade
Para depois plantar inimizade

E numa manhã de sol bela
Co'uma atitude talvez sincera
Colocou-me em tremenda escuridão
Plantando medo em meu coração
Ao menos, uma coisa me cabe
Essa inspiração que agora me bate

Será que o poeta é tão estranho
Que nesse momento medonho
Abatido por dor tão pungente
Dor não vista por toda a gente
Possa vir e aparecer mansamente
Uma inspiração combatente?

Comentem! õ/

3 comentários:

bella disse... / 5 de janeiro de 2010 15:00  

João,simplesmente AMEIII!!
Por sinal,vc devia começar a montar um livro já,e se precidsar de ajuda conte comigo,ok?!
Lógico que não para escrever,mas para organizar e talz.
Parabéns,meu amigo querido!!
Vc é muito talentoso
Bjãooo

Lari Maciel disse... / 9 de janeiro de 2010 13:41  

é verdade, podíamos ter um livro *-*
ia fazer sucesso :D

Mateus Spessotto disse... / 9 de janeiro de 2010 14:12  

muuuito legal cara...
e concordo com a bella!
voce podia começa um livro :D
com ctz ia faze sucesso
tah de parabens cara
cada vez melhor :D