Bilhete

Olá... Desculpem o horário. Já não está mais dando para programar os posts para segunda de manhã como antes. Anyway, espero que vocês gostem do poema de hoje. Confiram...

Bilhete

Cansaço
O corpo recusa o movimento
A dor prende como um laço
As pálpebras se fecham quando sento

Dor
E minto sempre que perguntam
Mas o mundo agora perde sua cor
Pelo escuro meus olhos clamam

Confusão
E a mente gira e gira
Perco-me na minha solidão
A luz do outro mundo é como chama numa pira

Líquido
O escarlate umedece o solo
A cada momento torno-me mais pálido
As belas rosas do entorno com meu sangue molho

Morte
Sinto agora a vil presença do ceifeiro elementar
Fraco está o corpo outrora imbatível e forte
É chegada a hora da partida do guerreiro consumar.

O que acharam? Comentem!

1 comentários:

Mateus Spessotto disse... / 21 de setembro de 2010 19:30  

Fico massa cara, principalmente essas palavras soltas no começo de cada estrofe ^^